Mudança institucional e inovação na indústria brasileira de petróleo

A mudança institucional da Lei do Petróleo, que quebra o monopólio da Petrobrás, trouxe importantes implicações para a dinâmica do sistema setorial de inovação brasileiro na indústria do petróleo. Durante o monopólio (Fase I), o arranjo institucional garantia uma certa convergência entre as diferentes funções do sistema setorial de inovação, porque a Petrobrás financiava, coordenava, executava e usava o novo conhecimento. Ao mesmo tempo, esse sistema tinha certas limitações por constituir­se numa rede dominada por um único ator. Com a ruptura do monopólio (Fase II), o número de atores nesse sistema aumenta, assim como os problemas de coordenação entre eles. Este trabalho analisa alguns desses problemas de coordenação, enfocando o CTPetro, cuja função é fomentar os esforços de P&D e articular as estratégias dos atores do sistema de inovação setorial. Aponta­se para a tendência ao ressurgimento da lógica “ofertista” apesar da política governamental que busca articular Universidade/Institutos de Pesquisa e Empresas.

Read More →

Autores: André Tosi Furtado

O Brasil e os novos rumos da indústria mundial de petróleo

O desenvolvimento da economia e da sociedade mundiais do século XX reconheceu no petróleo a sua principal energia. A indústria petrolífera foi pioneira e paradigma das inovações­chaves da moderna organização industrial do século XX. Entretanto, as mudanças no cenário mundial pós­choques do petróleo desencadearam a ação de fatores que tendem, no longo prazo, a alterar profundamente a função energética do petróleo na matriz energética mundial.

Read More →

Autores: Carmen Alveal

Diagnóstico da monitoração de emissões de gases de efeito estufa em usinas termelétricas no Brasil

Tendo em vista que a utilização de combustíveis fósseis na geração de eletricidade representa hoje uma questão estratégica para o país, o presente trabalho apresenta os resultados do diagnóstico sobre o Controle e Monitoração de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Usinas Termelétricas no Brasil, nas usinas em operação, em construção e em planejamento. 5 Buscou­se identificar os aspectos relacionados aos sistemas de controle e monitoração de emissões aéreas implantados e previstos. Para a caracterização do parque termelétrico brasileiro em operação e em planejamento é apresentado o resultado do levantamento das usinas termelétricas do sistema elétrico, interligado e isolado, operando no Serviço Público, como Produção Independente e Autoprodução. As informações foram coletadas junto à ANEEL e outras fontes de dados como a Eletrobrás e concessionárias de energia elétrica, bem como dos programas do governo para a expansão da geração elétrica. A metodologia utilizada para a análise exploratória relativa aos sistemas de controle e de monitoração das emissões gasosas implantados nas usinas termelétricas brasileiras constou de pesquisa através de questionário junto às empresas proprietárias de usinas termelétricas. No trabalho é mostrado a consolidação, o tratamento e análise dos resultados obtidos através das respostas enviadas pelas empresas quanto a situação de controle e monitoração das emissões aéreas das usinas termelétricas.

Read More →

Autores: Alessandra Magrini, Luiz Pinguelli Rosa, Edna Elias Xavier, Marco Aurélio dos Santos

Mercados futuros, derivativos e outras opções do setor elétrico brasileiro

A estrutura do setor elétrico brasileiro está passando por um período ele profundas mudanças. Dentre elas, podem ser ressaltadas as seguintes: início do processo de privatização do setor; reformulação do processo de formação de preços para compra e venda de energia; e alterações nos sistemas de financiamento e de administração de riscos. Essas mudanças geram um ambiente instável, onde a própria procura de políticas balizadoras visando à minimização de ineficiências econômicas pode, no curto prazo, aumentar ainda mais o quadro de incertezas. Nesse período de transição, aumenta a de­ manda por novos instrumentos de gerenciamento de riscos, que sejam compatíveis com uma estrutura de mercado competitiva. Por essa razão, os contratos a termo, futuros e derivativos associados a ativos do setor elétrico crescem de importância, na medida em que instituições financeiras, concessionárias de energia elétrica e outros participantes do mercado de eletricidade se preparam para garantir condições de risco e retorno adequadas aos seus investimentos. O presente trabalho apresenta algumas alternativas de instrumentos financeiros tradicionalmente utilizados nos mercados de capitais para atender às necessidades de investidores e empresas. Discute também a forma como esses instrumentos podem ­ quando for necessário ­ ser adaptados ou modificados para atender às especificidades dos mercados de energia elétrica e, em particular, do brasileiro.

Read More →

Autores: Luiz Fernando Loureiro Legey, Heloisa Firmo Kazay

Semelhanças entre as crises energéticas na Califórnia e no Brasil

O trabalho apresenta uma análise das crises elétricas do Brasil e da Califórnia. A crise californiana possibilitou análise realista do princípio da desregulamentação, e indica que o princípio utilizado não deve implicar na ausência absoluta de intervenção estatal. A desregulamentação pode conduzir a um outro tipo de intervenção estatal e não necessariamente levar ao desaparecimento dessa intervenção. Outro conceito utilizado é aquele que considera a desregulamentação como uma segunda etapa da privatização. Aceita­se a existência de desregulamentação em uma economia, com empresas estatais ou sem elas. Este é o caso da oferta de energia hidroelétrica estatal nos EUA. Vários autores e analistas ressaltam que nem toda desregulamentação é sinal de elevada competência; às vezes acontece exatamente o contrário, quando ela se impõe no sentido de favorecer interesses diferentes dos almejados pelos consumidores. A desregulamentação nunca deve ser aceita como sinônimo de descontrole do serviço, ou da atividade econômica ou social. A privatização tem se revelado como um instrumento ineficaz e às vezes incoerente com o objetivo final pretendido.

Read More →

Autores: Riolando Longo, Ildo Luis Sauer