Avaliação das Condições de Atendimento à Demanda Máxima em Horizonte Decenal

Com capacidades de regularização menores, a expansão da geração hidrelétrica necessita de uma maior complementação de potência para o atendimento à carga pesada. Este trabalho formula uma metodologia determinística de avaliação da reserva de capacidade do sistema, através de um balanço entre a disponibilidade mensal de potência, como recurso, e a demanda máxima mensal, como requisito. O indicador resultante é a “margem de reserva de capacidade”. Como resultados finais do trabalho, apresentam-se os balanços de potência para a configuração e o horizonte do Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 – PDE 2019, sob diferentes condições operativas, considerando as vazões do histórico. Adicionalmente, discutem-se os possíveis avanços metodológicos para avaliação das condições de atendimento à demanda máxima no planejamento da expansão.

Read More →

Autores: Flávio Borsato Guimarães, Ivana Costa Nasser, Danielle Bueno de Andrade, Renato Haddad Simões Machado, Marciano Morozowski Filho

CAPM e Regulação no Segmento de Distribuição do Setor Elétrico Brasileiro

Este trabalho tem como objetivo analisar a utilização dos betas, oriundos do Capital Asset Pricing Model (CAPM), nas revisões tarifárias do segmento de distribuição de energia elétrica no Brasil. Os betas entram na composição da taxa de desconto dos fluxos de caixa das distribuidoras de energia elétrica e compõem o custo médio ponderado de capital. Tais betas, utilizados pelo órgão regulador brasileiro, são determinados tradicionalmente com base em dados dos mercados americano e inglês, por alegação de falta dados até então consistentes para calculá-los a partir dos dados nacionais. Este artigo analisa esta questão e compara os betas oriundos dos mercados americano e inglês com betas obtidos a partir de dados do mercado doméstico. Do ponto de vista metodológico, os betas do mercado doméstico foram calculados diretamente a partir de uma base de dados econômico-financeiros que é amplamente utilizada pelo mercado nacional. A amostra para este cálculo foi composta por ações de empresas cotadas na Bolsa de Valores de São Paulo que tinham como principal atividade a distribuição de energia elétrica no período de janeiro de 2002 a janeiro de 2007. Os resultados mostram que os betas médios obtidos para o segmento de distribuição a partir de dados da realidade brasileira convergem para um valor próximo ao que está sendo utilizado para o ciclo de revisões tarifárias 2007-2010 a partir de dados internacionais. Assim, configura-se uma indicação de que o órgão regulador brasileiro não necessita mais utilizar dados de betas oriundos dos mercados internacionais, uma vez que pode obtê-los através do próprio mercado doméstico, com a vantagem de que tais resultados aderem mais à realidade do mercado local que está sendo regulado.

Read More →

Autores: Rinaldo Caldeira Pinto, Virginia Parente

Palavras-chave: , , , , , , , ,

Eletrificação Rural em Santarém: Contribuição das Microcentrais Hidrelétricas

A incipiente cobertura de energia elétrica em Santarém (PA) fez com que a população local procurasse alternativas para o atendimento de fornecimento de energia elétrica para as comunidades rurais, buscando aproveitar recursos naturais localmente disponíveis. A região do planalto apresenta muitos igarapés com cachoeiras e corredeiras, que podem ser aproveitadas para a instalação de pico e microcentrais hidrelétricas. Nesse contexto, foi instalada em 2001 a primeira picocentral hidrelétrica da região, com capacidade para geração de 5 kVA. A usina foi fabricada pela empresa Indalma, com sede em Santarém. Consistiu numa instalação experimental que atendeu uma pequena comunidade, fornecendo energia elétrica basicamente para iluminação. O sucesso dessa instalação resultou na instalação de 44 picocentrais nos municípios da região. Além das picocentrais, foram instaladas 12 microcentrais hidrelétricas nos municípios de Santarém, Belterra e Uruará por empreendedores locais e por algumas comunidade para atender a demanda local de eletricidade, fornecendo energia elétrica para aproximadamente 577 famílias. A consolidação da tecnologia e o expertise da Indalma fizeram com que o poder público local se interessasse por essa tecnologia alternativa. A Superintendência Regional do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Prefeitura de Santarém elaboraram um projeto para atender os assentamentos de reforma agrária na região com tal opção tecnológica. A iniciativa resultou na instalação de seis microcentrais hidrelétricas (MCH) com uma capacidade total instalada de 820kVA e uma rede de distribuição para atender 1.630 famílias. O objetivo deste artigo é apresentar as MCHs instaladas na região e mostrar a contribuição dessas unidades para a eletrificação rural dos assentamentos rurais no município de Santarém. Além disso, o artigo discutirá o modelo de gestão desses empreendimentos. A metodologia consistiu na sistematização dos dados de impleA metodologia consistiu na sistematização dos dados de impleistematização dos dados de implementação dos projetos da empresa Indalma, do INCRA e do poder municipal. Tais informações foram obtidas de material bibliográfico oficial disponibilizado pelos próprios atores locais, e complementadas com levantamento de campo nos diferentes locais de instalação dos equipamentos, onde também foram realizadas entrevistas e observações junto aos moradores locais. As MCHs instaladas pelo poder público municipal e Incra estão atendendo aos Projetos de Assentamentos (PA) de Moju e Corta Corda no município de Santarém e já se encontram em operação. Apesar de já estarem funcionando, os empreendimentos ainda não foram registrados na base de dados de geração do setor elétrico. O modelo de gestão proposto para a operacionalização do empreendimento era a gestão coletiva, na qual a gestão do sistema seria feita pela própria comunidade. Contudo por enquanto a manutenção do sistema é coordenada pela prefeitura, pois ainda não foram criados os meios para se implementar essa gestão comunitária. A eletrificação rural por meio de MCHs mostrou-se uma solução viável para atender comunidades rurais no município de Santarém. A solução para garantir o êxito do sistema deve passar pela organização da comunidade em cooperativas de eletrificação rural para incluir os empreendimentos no setor elétrico, adequando, assim, as instalações às normas do setor elétrico e consolidando o modelo de gestão.

Read More →

Autores: Rudi Henri van Els, Janaína Deane de Abreu Sá Diniz, Josiane do Socorro Aguiar de Souza, Antônio César Pinho Brasil Junior, Antonio Nazareno Almada de Sousa, Jaemir Grasiel

Estudo dos Efeitos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana do Funcionamento de Usinas Termoelétricas em Regiões Intensamente Urbanizadas: O Caso da UTE Piratininga – SP

A poluição atmosférica há tempos tem sido um grave problema de saúde pública em diversos países no mundo. O processo de desenvolvimento implica industrialização e consumo, especialmente de energia elétrica. No Brasil, a maior parte dessa geração vem das hidrelétricas, complementadas pelas termoelétricas. No entanto, o funcionamento de usinas movidas a combustíveis fósseis pode acarretar a emissão de poluentes atmosféricos. A atividade das fontes fixas, somada à emissão das fontes móveis (responsável por 90% da poluição atmosférica no Estado de São Paulo), tem demonstrado sérias e fortes associações aos problemas de saúde. Desse modo, o objetivo desta pesquisa foi estudar os efeitos que o funcionamento da UTE Piratininga – usina cravada na RMSP de essencial importância energética para a região – exerce sobre a qualidade do ar e saúde da população do entorno. Entretanto, ao analisar os resultados, somente foi possível verificar uma relação entre os problemas respiratórios e o não funcionamento da usina. Apesar de infelizmente não terem sido encontradas evidências da interferência direta da usina na qualidade do ar, constatou-se que a qualidade do ar em alguns pontos da RMSP não tem se mostrado satisfatória, segundo os dados da CETESB.

Read More →

Autores: Louise Nakagawa, Francisco de Assis Comarú, Federico Bernardino Morante Trigoso

Palavras-chave: , , ,

Modelagem de uma Ferramenta Analítica Aplicada ao Planejamento Integrado de Recursos Energéticos

O presente trabalho tem por objetivo estruturar e sistematizar a integração de recursos energéticos aplicados ao Planejamento Integrado de Recursos – PIR, contribuindo na sua alocação ótima ao longo do tempo e tendo como meta o Desenvolvimento Sustentável. A sistematização é feita aplicando-se conceitos de depósito de dados (data warehouse) e análise multidimensional das informações, possibilitando a visualização de relatórios de forma interativa e em tempo real, uma das características essenciais da tecnologia OLAP (On Line Analytical Processing), utilizada na parte metodológica.
Isso resulta numa ferramenta que inclusive prevê a participação colaborativa de usuários, especialistas ou não, para que a alocação dos recursos energéticos ao longo do tempo seja obtida envolvendo a Avaliação dos Custos Completos (ACC), ou seja, levando-se em consideração os aspectos ambientais, sociais, políticos e técnico-econômicos.
O Estudo de Caso da Reserva Sustentável de Mamirauá, localizada no Estado do Amazonas, será responsável pela validação da ferramenta, consolidando todo o processo metodológico desenvolvido, e mostrando de forma visual os resultados das alocações temporais dos recursos energéticos.

Read More →

Autores: Flavio Marques Azevedo, José Aquiles Baesso Grimoni, Miguel Edgard Morales Udaeta