A influência da educação no Programa Brasileiro de Etiquetagem de aparelhos elétricos

O consumo elétrico tem crescido, fato que aumenta a quantidade de empreendimentos de geração e distribuição de energia, causando problemas sociais e ambientais. Buscando amenizar a situação, o PROCEL e o INMETRO promovem o Programa Brasileiro de Etiquetagem, que etiqueta aparelhos com dados técnicos e uma escala de eficiência energética, visando a auxiliar o consumidor na escolha do produto e privilegiar os mais eficientes. Este trabalho apresenta um estudo sobre a influência da educação nos resultados obtidos pelo PBE. Foram entrevistados 140 alunos do ensino médio e percebeu-se que a educação é uma ferramenta essencial para o sucesso do programa.

Read More →

Autores: Daniel de Andrade Moura, Claudio Luis de Camargo Penteado

Palavras-chave: , ,

A tomada de decisão na formulação de políticas públicas: ensaios na rede sociotécnica sucroalcooleira do estado de São Paulo

O debate acerca da sustentabilidade tem suscitado a busca por maneiras de se aliar o desenvolvimento econômico com qualidade ambiental e social. Dentro desse contexto os biocombustíveis ganham preponderância por possibilitarem o uso de matérias-primas renováveis. Dentro da rede que se engendra em torno dos atores que estão imersos no setor de produção de etanol de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo – principal unidade da federação no segmento – é imprescindível a análise dos meios pelos quais as tomadas de decisão acontecem. Entender esses processos possibilita avaliar se o etanol é capaz de cumprir o papel que lhe é imposto. Este artigo explana sobre tais questões, averiguando a importância de um dos atores nessa rede, que se enquadra como ator visível, influenciando a formulação de políticas públicas do setor.

Read More →

Autores: Franciele Gomes, Taiane Dagostin Darós, Carla Grigoletto Duarte, Tadeu Fabrício Malheiros

Palavras-chave: , , , ,

Análise do uso da energia elétrica em instalações industriais do segmento de alimentos e bebidas

No Brasil, o setor industrial é responsável por cerca da metade do consumo final de energia elétrica; logo, ações que visam estimular o uso racional e a conservação de energia elétrica são importantes. Este trabalho teve como objetivo analisar o uso da energia elétrica em instalações industriais do segmento de Alimentos e Bebidas, através de uma amostra situada na região Sudeste do Brasil. O segmento foi escolhido pelo fato de ter grande representatividade, em termos de maiores consumidores de energia elétrica, entre as indústrias do País. Através das medições em campo, determinou-se para cada instalação industrial analisada, indicadores de eficiência energética, como o fator de carga, o consumo específico e o preço médio da energia. Também foi realizada a análise do enquadramento tarifário das instalações. Constatou-se que, apesar das instalações já terem equipes que realizam algum tipo de monitoramento do uso da energia elétrica, em muitos casos ainda se tem oportunidades para a racionalização do uso da energia elétrica.

Read More →

Autores: Roberto Perillo Barbosa da Silva, Luiz Antonio Rossi

Palavras-chave: , , , , ,

Briquetes: alternativa energética e ecológica no combate ao apagão da caatinga

A população e os setores econômicos e energéticos das Unidades da Federação incluídos no Semiárido nordestino ainda dependem de forma significativa, em pleno século 21, dos recursos florestais extraídos do Bioma da Caatinga para o seu desenvolvimento. O Relatório Técnico do Ministério do Meio Ambiente (2011) denuncia que, metade da cobertura vegetal do Bioma da Caatinga está devastada e esta destruição deve-se, principalmente, a produção de lenha e carvão vegetal para abastecer siderúrgicas de Minas Gerais e Espírito Santo, indústrias de gesso e cerâmica do semiárido e o crescente uso nos engenhos de rapadura, fábricas de doces, fogões domésticos, etc. O Relatório ressalta ainda que, durante o período de 2002 a 2008 foram devastados 16.576 km² da Caatinga. Pernambuco ocupa o 4º lugar no Nordeste e o Município de Serra Talhada apresenta um dos maiores índices de desflorestamento, ou seja, 4,1% da área de 122 km² do Bioma. Os indicativos revelam uma perda de 45,39% da vegetação natural da Caatinga durante o período da pesquisa. Neste contexto, ganha destaque os briquetes por representarem uma opção no uso de resíduos vegetais – bagaço de cana-de-açúcar, fibra de coco, pó de serra, etc. como fonte energética.

Read More →

Autores: Simone M. da Silva, Inaldo G. de Menezes, Leocádia T. C. Beltrame, Lohanne L. M. de Souza

Palavras-chave: , , ,

Caracterização do espaço regulatório para Smart Grid

Evoluir o negócio de energia no Brasil não aparece nesta análise meramente como uma possibilidade, mas como um fato a ser acompanhado, a receber fortes incentivos e a ser re-regulado. Esforços apropriados devem ser feitos para se realizar o adequado planejamento, projeto e custos devem ser promovidos pelas agências reguladoras (de energia e de telecomunicações, pelo menos). Políticas públicas e regulação falhas ou incompletas podem gerar inconsistências com os requisitos energéticos futuros para o país, considerando a obsolescência das redes atuais, as tendências e a necessária aderência ao pacto global de sustentabilidade. Todos os stakeholders devem ser envolvidos, e organizados para construir ou modernizar a rede de energia em seus aspectos de qualidade, disponibilidade, infraestrutura, padronização, interoperabilidade e sustentabilidade e deve-se buscar a consciência de uso/demanda, de renda e de entendimento dos clientes de forma adequada. Foram estudadas novas tecnologias, novas possibilidades de serviços e preços. Incentivos, bem como a evolução das normas regulatórias apareceram como fundamentais para manter e expandir o fornecimento da energia e gerenciar a demanda, com implicações na melhora do relacionamento entre consumidor-cliente e concessionária e nos investimentos/receitas para o capital investido.

Read More →

Autores: Carlos Alberto Fróes Lima, Gilberto De Martino Jannuzzi

Palavras-chave: , , , , ,